Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Vaticano

Sínodo Especial para a Amazônia será realizado em outubro de 2019

Sínodo Especial para a Amazônia será realizado em outubro de 2019

Antes de rezar a oração mariana do Angelus, o Papa fez neste domingo, 15 de outubro,um anúncio surpreendente, que diz respeito de perto à nossa realidade. Após saudar todos os peregrinos e delegações oficiais de Brasil, França, Itália, México, Ordem de Malta e Espanha, países de origem dos santos recém-canonizados, Francisco disse: “Atendendo o desejo de algumas Conferências Episcopais da América Latina, assim como ouvindo a voz de muitos pastores e fiéis de várias partes do mundo, decidi convocar uma Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Pan-amazônica. O Sínodo será em Roma, em outubro de 2019. O objetivo principal desta convocação é identificar novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, especialmente dos indígenas, frequentemente esquecidos e sem perspectivas de um futuro sereno, também por causa da crise da Floresta Amazônica, pulmão de capital importância para nosso planeta. Que os novos Santos intercedam por este evento eclesial para que, no respeito da beleza da Criação, todos os povos da terra louvem a Deus, Senhor do universo, e por Ele iluminados, percorram caminhos de justiça e de paz”. Há vários meses, tem-se cogitado a realização de um encontro do Papa no Vaticano com os bispos de toda a região (9 países compõem a Pan-Amazônia) para avaliar os desafios e buscar respostas comuns para seus mais de 30 milhões de habitantes. Em maio de 2017, o Cardeal Cláudio Hummes, Presidente da REPAM, Rede Eclesial Pan-amazônica, entrevistado pela RV, ressaltou a importância de dois aspectos fundamentais: “o propriamente missionário e evangelizador naquela região, e a questão ecológica: a importância da floresta Amazônica e a ameaça que ela está sofrendo de destruição, de degradação, de desmatamento, etc.”. A REPAM trabalha em sintonia com a Santa Sé, Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM), Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Secretariado da América Latina e Caribe de Caritas (SELACC) e Confederação Latino-americana e Caribenha de Religiosos e Religiosas (CLAR). Reação de dom Claudio Hummes Pego de surpresa: assim, o Cardeal Cláudio Hummes define o momento em que recebeu a notícia da convocação da Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Pan-amazônia. A Rádio Vaticano foi ao encontro do cardeal logo após a cerimônia da canonização dos mártires do RN e do anúncio do Pontífice, feito antes da oração mariana do Angelus. “Realmente é uma grande surpresa, embora também soubesse que o Papa tinha este desejo muito forte e que ele estava estudando quando ele poderia, em que ano em que data poderia ser. Foi uma surpresa muito grande e muito bonito porque foi anunciado na Praça, depois da missa em que foram canonizados os 30 mártires, protomártires do Brasil. Poder estar aqui na Praça neste momento é de uma alegria muito grande para mim. Agradeço primeiro de tudo a Deus e depois quero parabenizar muito todos os bispos da Pan-amazônia, porque eles também fizeram realmente uma força muito grande. Pediram também ao Papa, rezaram por isso, escreveram cartas para ele, para podermos chegar agora a esta decisão deste Sínodo que será, portanto, de importância universal, porque os Sínodos sempre acabam tendo uma repercussão universal. Será aqui em Roma, para que o Papa possa estar todos os dias conosco neste Sínodo e possa assim repercutir no mundo inteiro a importância da missão na Igreja, dos missionários de tantos séculos, mas sobretudo, os atuais, e todo o povo da Amazônia, nós da Igreja no Brasil e dos demais países da Pan-Amazônia”. RV/ Cultura FM
A juventude no centro do olhar da Igreja Católica: 1 ano para o Sínodo dos jovens

A juventude no centro do olhar da Igreja Católica: 1 ano para o Sínodo dos jovens

Em outubro de 2018, ou seja, daqui a 1 ano, a juventude no mundo será assunto da XV Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, com o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. Cardeais, bispos, padres, leigos e leigas estarão reunidos, no Vaticano, em Roma, para preparação do documento com as novas diretrizes para evangelização da juventude no mundo. O sínodo dos Bispos pode ser definido, em termos gerais, como uma assembleia consultiva de representantes dos episcopados católicos de todo o mundo que se juntam a peritos e outros convidados, com a tarefa ajudar o papa no governo da Igreja. Para que esse movimento ocorra, em janeiro deste ano, o Francisco deu início ao processo de preparação com a fase de consulta, etapa em que o povo de Deus pôde enviar contribuições e respostas ao questionário disponibilizado pela Santa Sé. Esse prazo se encerrou em julho e todas as contribuições e respostas foram compiladas e serão enviadas à Secretária Geral do Sínodo. Este processo levará à redação do instrumento de trabalho para a assembleia sinodal. Para o bispo da diocese de Imperatriz (MA) e presidente da comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, dom Vilson Basso, esse sínodo é um tempo de esperança pois a juventude foi colocada no centro da igreja. “É um momento de escutar a voz, o clamor, o grito e as esperanças da juventude. É preciso ter coragem, ou seja, fazer um exercício para escutar a juventude de dentro e fora da Igreja”, destaca. Por meio de um documento, o Vaticano questionou a juventude com a finalidade de acompanhar os jovens em seu caminho existencial rumo à maturidade, para que, por meio de um processo de discernimento, “possam descobrir seu projeto de vida e realizá-lo com alegria, abrindo-se ao encontro com Deus e com os homens, participando ativamente da edificação da Igreja e da sociedade”. O documento preparatório propôs uma reflexão em três partes. A primeira sobre as dinâmicas sociais e culturais. Na sequência, uma abordagem do “discernimento” como instrumento que a Igreja oferece aos mais novos para a descoberta da sua vocação. Por fim, são colocados em relevo os elementos fundamentais da pastoral juvenil vocacional. Para dom Vilson, a expectativa é que a Igreja abra espaço para que os jovens encontrem novos caminhos e novas maneiras de acompanhamento e evangelização da juventude. “ Tendo escutado os jovens, a expectativa é que surjam novas ideias, propostas e caminhos para a evangelização da juventude na realidade de século XXI”, ressaltou o bispo. Reprodução twitter/synod2018 Os preparativos para o Sínodo dos Bispos de 2018, podem ser acompanhados no portal do Sínodo na internet: youth.synod2018.vae também pelas redes sociais. Foi criado o perfil “Synod2018” no Facebook, no Twitter e no Instagram para que os jovens possam interagir por meio da “#Synod2018”. No último dia 4 de outubro, o papa anunciou um encontro mundial de jovens em preparação ao Sínodo de 2018. A reunião pré-sinodal convocada pela Secretaria Geral do Sínodo será de 19 a 24 de março do ano que vem e estão convidados jovens de diferentes partes do mundo: jovens católicos e jovens de diversas confissões cristãs e de outras religiões; também jovens não crentes. “Esta iniciativa se insere no caminho de preparação para a próxima Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos, que será sobre o tema ‘Os jovens, a fé e o discernimento vocacional’ em outubro de 2018. Com tal caminho, a Igreja quer colocar-se à escuta da voz, da sensibilidade, da fé e também das dúvidas e críticas dos jovens. Por isso, as conclusões da Reunião de março serão transmitidas aos Padres Sinodais”, disse o Papa. Em uma nota divulgada na ocasião, a Secretaria Geral do Sínodo afirmou que esta iniciativa permitirá aos jovens exprimir suas expectativas e desejos, bem como suas incertezas e preocupações nas complexas situações do mundo de hoje. O fruto dos trabalhos da Reunião será oferecido aos Padre Sinodais, junto com outra documentação, para favorecer a sua reflexão e aprofundamento.